19 de nov de 2013

O mistério da trindade


     O que as pessoas geralmente discutem não é a trindade propriamente dita e sim, a "Teologia da Trindade". Como toda teologia, é uma tentativa humana, parcial e limitada de entender algo divino. Mas o que essa teologia diz, a grosso modo? Que Deus é apenas um, sendo que Pai, Filho e Espírito Santo são três pessoas desse "apelido" (Deus) que damos a essa divindade triúna. E esse Deus estava em Cristo reconciliando o mundo consigo, não imputando ao homem suas transgressões, mas derramando Seu sangue para a salvação.
     C. S. Lewis, em "Cristianismo puro e simples", resume bem essa teologia com uma metáfora simples. Cada pessoa da trindade seria como uma dimensão de um objeto. Imagine uma bola. Ela tem 3 dimensões bem claras a nós, que são: altura, largura e profundidade. Se você tirar uma dessas dimensões, por exemplo, a profundidade, ela deixa de ser uma bola (esfera) e passa a ser um mero círculo. Ou seja, as 3 dimensões jutas formam apenas 1 objeto. O mesmo raciocínio poderia ser atribuído a Deus. As 3 pessoas da trindade seriam três aspectos do mesmo Deus, sendo que nenhum precede o outro em "existência" (nem mesmo o Pai precede o Filho, apesar desses nomes darem essa impressão).
     A fé cristã se baseia na premissa que "Deus é" e em Jesus temos a encarnação da plenitude desse Deus. Em Cristo há o Pai, há o Filho e há o Espírito Santo sendo revelados. E voltando ao que estava sendo dito, ao mesmo tempo em que Deus estava em Cristo, estava no céu. A ira de Deus se manifestou (contra o pecado) em Cristo, em justiça, em amor, em Graça. O Deus que poderia nos condenar com sua "ira" condenatória se manifestou com perdão e redenção na Cruz. A justiça (Cruz) veio por Graça, nos trazendo amor... O único que poderia nos condenar nos amou, nos salvou e advoga em nosso favor. Afinal, Ele (e chamamos esse aspecto dEle de "Espírito Santo" conhece a intimidade de cada homem e assim podemos ser julgados por Ele, defendidos por Ele e salvos por Ele. Afinal, Ele cria, Ele mantém o que criou e Ele redime a Sua criação. Tudo é dEle, acontece nEle, por Ele e para Ele. Isso é soberania.
     Deus é... Ele pode estar onde quiser, pode estar em tudo, mas nada é capaz de prendê-lo ou de contê-lo em Sua plenitude. Por isso Ele estava em Cristo, mas também estava "no céu" e em qualquer outro lugar.
     Deus, por ser Deus, não caberia em uma doutrina que tenta estudar a anatomia do divino (embora nunca devamos abrir mão da razão). Deus está acima de qualquer compreensão ou explicação teológica. Toda vez que alguém chegar e dizer: "Deus é de tal forma", tenha a certeza que Deus pode ser tudo, menos aquilo, pois Deus jamais será plenamente explicado ou compreendido. As nossas explicações nada mais são que devaneios insignificantes, dentro da pequena capacidade intelectual humana, que sequer chegam a "arranhar" a verdade. Apenas expressam a nossa compreensão sobre Deus, porém, o que é passível de compreensão, como defende o cristianismo, foi revelado plenamente ao mundo em Cristo. O resto é especulação.
     Por tudo isso, acho tolice ficar tentando entender, explicar ou questionar essa abordagem. A única coisa útil que vejo nesse tema (que serve como ferramenta didática para todos, de conservadores a liberais), nessa divisão esquemática trinitária é que ela fornece uma útil representação, uma válida ilustração, simbólica:

Pai = é "aquele aspecto da divindade" a quem buscamos, que está além de nós, que desejamos adorar, agradecer...

Filho = é "aquele aspecto da divindade" que está ao nosso lado, nos estimulando, nos ensinando o caminho a percorrer...

Espírito Santo = é "aquele aspecto da divindade" que está dentro de nós, em comunhão conosco, que nos impulsiona, nos guia...

     O restante, não tento entender e não acho que acrescenta muita coisa. É só teoria teológica como discussão de sexo de anjos. É só uma maneira de tentar conciliar poli com monoteísmo. Perda de tempo. Vamos estudar qualquer coisa importante que será mais produtivo. 

Autor: Wésley de Sousa Câmara
Atualizado em 19/12/2015

O que achou?