17 de out de 2014

Relativizo tudo a partir de Cristo. E não sou "relativista"!


     Da mesma forma que Cristo não é sinônimo de cristianismo, dizer que algo é "relativo" não significa que essa pessoa defende o "relativismo".
     O relativismo (no geral) é consequente à consideração de que NÃO HÁ VERDADE ABSOLUTA ou pelo menos que não há um parâmetro para se chegar a essa verdade absoluta! Sendo assim, o que cada pessoa defende é igualmente relativo. E porque não me considero relativista? Simples:
     Eu relativizo TUDO (isso mesmo) a partir de Cristo. E porque? Pois creio que o Criador (Deus) é absoluto, porém toda a criação, por não estar no mesmo nível de Deus, por não possuir "deuses", obrigatoriamente não pode ser absoluta, ou seja, é relativa. Sendo assim, somente Deus é absoluto.
     Creio ainda que Deus decidiu revelar-se à Sua criação. E como se dá essa revelação? De várias formas, sendo que a única revelação plena e perfeita, deu-se em Jesus Cristo. Por isso sou cristão. O único parâmetro absoluto que tenho, no tempo, no espaço, na história, é Jesus. Então se quero julgar todas as coisas, tenho que sempre estabelecer Jesus como referência. Isso mesmo: creio que Cristo é absoluto, pois é a revelação PLENA E PERFEITA de Deus.
     E como fico sabendo de Jesus? Historicamente falando, fico sabendo pelas escrituras, que são os registros escritos de sua vida e de seus feitos, bem como da aplicação em diversos contextos dos ensinos divinos. Ou seja, se creio que Deus decidiu se revelar ao homem, creio que Ele inspirou algum instrumento para que todas as gerações posteriores tivessem acesso a essa revelação absoluta. Por isso creio na inspiração das escrituras. Creio que o que ela me apresenta acerca de Cristo é real, do contrário, não teria um parâmetro absoluto para julgar nada. Aí sim eu seria relativista. Sequer poderia dizer que matar uma criança é absolutamente errado, pois não teria como parâmetro Cristo me ensinando a amar, perdoar e fazer o bem. Eu poderia olhar para a história hebraica ou para Davi e dizer: poxa, se eles fizeram e incentivaram, também posso e isso só é errado pra quem acha que é. Mas não! Creio que é errado independentemente da cultura e do que cada um pense a respeito. O parâmetro é Ele e não, eu.
     O que gera muita confusão na mente de alguns é que sempre digo: "Quando leio sobre Cristo, ou olho para Cristo, estou olhando e lendo A RESPEITO da verdade absoluta (Jesus mesmo disse que Ele é a Verdade, o Caminho e a Vida), porém o que assimilo (por depender de minha capacidade de compreensão) sobre Cristo não é absoluto. Se fosse eu seria Deus também. Tanto é que os diferentes grupos religiosos e teológicos usam a mesma bíblia e formam diferentes interpretações."
     Então Deus não sabia que isso aconteceria? Deus causa confusão? Não! Claro que Ele sabia (sabe) e quem causa confusão é o homem. Deus "não tem culpa" alguma. Algumas coisas são óbvias não importando quem esteja lendo. Jesus morreu na Cruz pelo homem, para a salvação do homem, certo? (Ou seja, a essência do Evangelho está aí pra todos). Jesus ensinou que devemos viver em amor a Deus e ao próximo, certo? (pois bem, a essência da vontade de Deus está clara para todos). O que gera confusão não é essa essência dita pelos apóstolos de forma inspirada por Deus e sim, os "detalhezinhos teológicos" que são consequências disso. Simples assim.
     A questão é definir bem os parâmetros que adota. Se Deus revelado em Cristo é absoluto para você, pronto! Não é relativista, mesmo que relativize tudo e todos a partir de Cristo, que por sinal é o que defendo. Porém, se acha que a revelação de Deus em Cristo não é absoluta ou que vários parâmetros diferentes podem ser adotados como absolutos, então você é relativista. E se acha que o absoluto cabe dentro de você, logo, tudo o que você diz é também infalível e absoluto, aí não tem como dialogar. Você é quase um "vice-Deus" e quem discordar de você será um herege ou um falso profeta (perdoem-me quem não gosta de ironia). 
     Essa minha interpretação é absoluta? De forma alguma. Eu teria que ser um baita "fundamentalista" para dizer que é. Mas é nisso que creio; é nisso que se baseia minha fé. Não é certeza, é fé (até porque Deus não deseja que vivamos por certezas e sim, pela fé); posso estar errado? Claro, mas estou convencido de que foi essa, em Cristo, a revelação absoluta de Deus a mim. Portanto, TUDO e TODOS (inclusive eu) serão sempre avaliados tendo Jesus (quem Ele era, o que fez, o que ensinou e como viveu) como parâmetro comparativo. Posso errar durante essa comparação? Posso, pois sou limitado e falho, mas creio que seja esse o parâmetro a ser adotado.
     Então, meu querido, com todo respeito, mas sendo direto: pode espernear, gritar e xingar, mas não absolutizo nada, nem ninguém além de Deus revelado em Cristo. Nada/ninguém mesmo. Nem você, nem eu, nem minha ou sua tradição interpretativa.

Autor: Wesley de Sousa Câmara

O que achou?