27 de fev de 2015

Sua teologia depende de uma série de fatores


     Recentemente ficou famoso na internet esse vestido que originalmente é azul e preto, mas muita gente olha para ele e "jura" que é branco e marrom. Como assim? Ora, na imagem original dele ocorre uma combinação rara e exata de luz que cria uma ilusão de ótica, ou seja, devido ao ângulo de incidência da luz, somado às cores e à luminosidade de todo o ambiente (fundo), nossos olhos fazem uma adaptação para enxergar o objeto da forma mais realista possível e isso pode gerar uma "ilusão" em nosso cérebro, a ponto de muitos de nós termos certeza que o vestido azul e preto na verdade é branco e marrom.
     O que quero dizer com isso? Que o que enxergamos depende de nossa "lente". Todos somos humanos parciais, relativos, sendo que aquilo que vemos e que temos tanta certeza que é a realidade, muita vezes não é. E isso vale para toda nossa vida. 
     Esse caso do vestido achei perfeito para ilustrar as constantes disputas entre visões teológicas (catolicismo, luteranismo, calvinismo, arminianismo...). Cada um está enxergando com sua lente e defende essa visão que tem como se fosse absoluta. Por isso essas discussões nunca tem fim. Ambos os lados estão convencidos que estão com a razão, apresentando evidências aos montes, embora desconsiderem que só estão enxergando aquilo que a lente deles lhe permite enxergar.
     Mas nisso tudo o ponto que queria chamar mais a tenção é justamente o fato de o determinante para cada pessoa ter essa percepção da cor do vestido ser a luminosidade e a cor do ambiente que está ao redor. 
   Portanto, entenda que independentemente de qual tradição teológica cristã você siga, provavelmente seu irmãozinho que discorda de você está falando do mesmo vestido, ou melhor, do mesmo Deus que você, porém a percepção de vocês é divergente por todo o contexto seus. Seja pela teologia que cresceu aprendendo, pela cultura, pela preferência, pela forma de criação, pelas experiências pessoais ou religiosas... Cada um está "olhando para o mesmo Deus" dentro do seu ambiente, do seu contexto, com sua lente e a conclusão que cada um chegará terá influência de tudo isso. 
     Então, acredite, meu irmão (ã). O que você crê não é algo sem motivo, não é "puro" e nem simples e tampouco poderá afirmar que é a verdade absoluta. Essa compreensão que tem é apenas a sua percepção da verdade, que é Deus revelado em Cristo. Sigamos com humildade na busca pela "imagem mais coerente possível" com a realidade, tendo sempre em mente que a nossa percepção não muda o que de fato é fato!

Autor: Wesley de Sousa Câmara 

O que achou?