2 de out de 2015

"Pecado" é o que somos


     Quando é que a cristandade irá deixar de pensar que PECADO é algo que se pratica e não, que é a ESSÊNCIA de TODO ser humano? Como diz a velha e ótima expressão: "Pecado não é o que faço; pecado é o que sou". E ainda: "Não sou pecador porque eu peco; eu peco por ser pecador".
     Pense comigo: Uma figueira produz laranjas? Não! Ela produz figos, que são frutos conforme a sua espécie. A mesma coisa é o homem. Se ele "comete pecados" (imoralidades) é pelo fato dele ser já um pecador (e não, que ele torna-se um pecador POR PECAR).
     Se acham que pecado é um ato, ao invés de uma natureza, digam que Jesus "viajou na maionese", pois Ele deixou claro:

"Vocês ouviram o que foi dito: ‘Não adulterarás’.
Mas eu lhes digo: qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração." (Mateus 5:27,28)

     Repare que Jesus "jogou na cara de todo mundo" que o pecado aí não é ato de levar pra cama uma mulher em uma relação ilícita. O pecado precede o ato! Muitos dizem que o pecado ocorre quando a pessoa tem o desejo, mas isso também não parece ser correto, segundo o texto. Jesus diz que QUANDO UMA PESSOA OLHA COBIÇANDO essa mulher, essa pessoa comete adultério? Não! Ele diz que quando olha, essa pessoa JÁ COMETEU adultério no coração. Em outras palavras: o ato de "levá-la pra cama" é a consequência final do pecado. E o desejo também não é o pecado em si. O desejo já é UMA EVIDÊNCIA de que o pecado está lá dentro da pessoa. O pecado não é sequer a motivação. O pecado é a capacidade da pessoa ter a motivação errada, que leva ao ato errado.
     Quando um cristão entende isso, vai entender que todos são igualmente pecadores carentes da graça divina. O assassino, o estuprador, o pedófilo, a criança pura, o pastor, o papa, o monge, o cara que ganhou o prêmio Nobel da Paz, o hétero e o homossexual... Todos são igualmente pecadores. Entre Deus e cada uma dessas pessoas, a distância é a mesma. A diferença entre cada pessoa é apenas que algumas se entregam existencialmente ao bem e outras, ao mal. Algumas lutam contra essa tendência interior e outros se entregam. Mas nem o mais "santo" e puro dos homens é menos pecador que o mais perverso ser humano.

Autor: Wésley de Sousa Câmara

O que achou?