6 de out de 2015

Violência no casamento


- "Pastor/padre, já tentei, fiz de tudo, mas vou ter que me divorciar".
- Faz isso não, irmã. Isso não é da vontade de Deus!
- "Mas meu filhinho e eu sermos humilhados, ofendidos, tratados com grosseria diariamente pelo meu marido... Eu não ter uma noite íntima com ele há meses e quando tive, foi um estupro, pois ele bêbado quase me bateu pra isso... Já fomos espancados algumas vezes, após meu marido chegar bêbado em casa pela manhã, tendo passado a noite sei lá onde... Essa é a vontade de Deus, pastor?"
- Bem... ehh... então... é que...

    NÃO TRATE COM SIMPLISMO SITUAÇÕES COMPLEXAS. SE DEUS É AMOR, ONDE NÃO HÁ AMOR PODE TER ASSINATURA EM CARTÓRIO E ATÉ BÊNÇÃO DO PASTOR/PADRE, MAS AÍ NÃO ESTÁ DEUS.

     Não faça como os fariseus dos dias de Jesus, que viviam em função do sábado. Da mesma forma que o sábado foi criado para o homem (e não, o homem para o sábado), assim também foi o casamento.
     Se o ideal de Deus é que o casal permaneça junto até que a morte os separe (não se divorciando até quando o marido não gostava do arroz da esposa, como muitos faziam nos dias de Jesus), também é o ideal de Deus que nesse tempo de casamento estejam se amando e se respeitando. Pois se essas qualidades não estiverem presentes, o casamento já se foi faz tempo.
     A vontade de Deus foi apresentada por Jesus, acima de tudo, como amor a Deus e amor ao próximo. Se não há amor não é uma doutrina, uma oração ou um papel timbrado que garantirá a aprovação divina. Deixe de hipocrisia e de querer tampar o sol com a peneira. O divórcio é apenas a legalização de uma separação que já ocorreu faz tempo.

Autor: Wésley de Sousa Câmara

O que achou?