30 de dez de 2015

Armas, drogas, aborto e pena de morte: a incoerência fundamentalista


     Liberar as armas e não, as drogas... (se o povo está maduro pra lidar com uma, por que não com a outra?)
     Aprovar pena de morte mas não, o aborto... (se um embrião é vida, um criminoso deixa de ser ao transgredir a lei?)
     Não estou aqui defendendo nenhuma delas. Só estou mostrando o quão incoerente alguns grupos são. Dentro do raciocínio que usam, que rejeitem ambas ou que defendam ambas!
     
     "Ah, mas o bandido atenta contra outras vidas, logo, tirar a dele é poupar as dos outros".     

     Argumento ridículo, pois seguindo essa lógica, teria que ter pena de morte também para as mães que abortam. E agora o principal: boa parte dos que seguem essa ideologia no Brasil são cristãos conservadores/fundamentalistas, que no culto/missa de domingo deliram ao ler passagens bíblicas que "Deus matou uns moleques que caçoaram da careca de um profeta", que "Deus mandou exterminar tribos inteiras, inclusive mulheres e crianças", que "Deus ou um de seus apóstolos matou um casal que vendeu uma propriedade e mentiu quanto ao valor arrecadado"... Mas esses personagens bíblicos que matam, esse pessoal ao invés de exigir a morte, louva! E depois dizem que "seguem a bíblia". Cúmulo da Hipocrisia (além da ignorância bíblica, é claro).

Autor: Wésley de Sousa Câmara

O que achou?