13 de jan de 2016

A "igreja" como uma oficina ou hospital


     "A Igreja não é um museu para santos e sim, um hospital para pecadores". [Frase possivelmente derivada de Abigail Van Ruben]

     Alguns dizem, ao invés de hospital, que ela é uma oficina. Dá na mesma. Eu poderia comentar a metáfora das duas formas. Mas vou usar então a da oficina.
     Se a igreja é uma oficina, ela tem que cumprir sua proposta de fazer com que seus membros (carros) se tornem pessoas melhores do que entraram (pelo menos todos aqueles que vão lá dispostos realmente a serem consertados, fazendo a sua parte para isso). Alguém leva um carro pra consertar e aceita pegá-lo igual ou pior do que levou? Se isso acontecer, não será culpa do mecânico e da oficina (no caso igreja e seus líderes)? Não falo aqui culpa de Deus, pois a religião/igreja é um fenômeno humano e não, divino. Deus não colocou "igreja" como um portal de acesso a ele e tampouco como seu representante (como uma franquia terrena). Nós criamos essas estratégias de reunião e infelizmente essa reunião se tornou o foco, o centro, o objetivo de uma "conversão", quando o correto seria levar as pessoas pra fora das quatro paredes.
     Sem contar que a pagamos, literalmente (se formos falar de dízimos e de ofertas - rsrs), para ficar na "oficina" (igreja). Pagamos com esforço, com tempo dedicado, com trabalhos nas atividades do local... Deixamos outras atividades para frequentar alguns eventos..
     Aí pergunto: se ela não traz algum tipo de benefício, qual o objetivo de frequentar um grupo assim? Se é pra não mudar nada em minha vida, fico em casa, dedicando tempo a pessoas amadas e a outras atividades que me farão crescer como pessoa. Aliás, quando um grupo coloca tantas atividades que, ao invés de unir uma família, afasta seus membros, será que tem algo a ver com Deus? Quantas vezes vejo pessoas dizendo que não vão a um casamento ou a um aniversário de alguém da família porque tem culto... Oras, bolas, será que é essa a prioridade que Jesus desejaria pra nós? Não é a família uma "instituição divina" e "o alicerce da sociedade", como os mesmos religiosos defendem? Será que em vez de uni-la em reuniões agradáveis, Deus prefere separá-los com a desculpa de que "hoje tenho culto/ensaio/escola bíblica/retiro" ou sei lá mais o que? É difícil imaginar Deus tendo algo a ver com isso...

Autor: Wésley de Sousa Câmara

O que achou?