9 de jan de 2016

Deus manipula o mundo por mim?


     As pessoas hoje usam Deus como muleta pra viver. Será que Deus deseja isso? Será que ele não deseja lhe dar liberdade e promover em você um crescimento de consciência, a fim de que você possa analisar as coisas, refletir, entender e caminhar com suas próprias pernas, assumindo responsabilidades? Como alguém vai crescer se não solta a barra da saia da mãe (ou no caso aqui, a barra da camisa do pai, rssr)?
     Infelizmente as pessoas clamam por liberdade, mas querem um Deus (pai) manipulador de circunstâncias. Querem uma vida livre, mas tem medo da vida e de seus obstáculos naturais. Querem viver, mas tem medo de sua consequência natural: a morte.
     O que se vê hoje, principalmente no contexto da religião cristã, é um apego desesperado a um Deus que interfere diretamente em cada circunstância da vida. Queremos um Deus que nos cura de toda doença, que não nos deixe passar falta de nada, que nos dê uma vida boa e feliz, que nos livre de acidentes e da violência urbana e que satisfaça nossos desejos egoístas. Mano, como quer aprender e crescer sem problemas, dores e dificuldades? Como quer viver sem sofrer? A vida é dura, dolorosa, mesmo! Acorde para a realidade!
     Tantas pessoas passando por crises econômicas e psicológicas, adoecendo, sofrendo, morrendo de todas as formas e eu clamando por uma vida boa e tranquila? Sou o pupilo de Deus agora, a "menina dos olhos" do divino? O meu vizinho pode sofrer, mas eu, um "servo fiel" do Deus soberano, tenho que ser carregado no colo? Eu não posso passar falta de nada ("Deus honra minha fé"), mas milhões de pessoas morrem todos os meses pelo mundo desnutridas e desidratadas? Percebe que isso gera em nós uma mentalidade egoísta? O morador de rua passando fome na minha calçada é tolerável, mas eu sou "filho de Deus" e tenho que comer o melhor desta Terra? Se achar que Deus tem a missão de colocar diretamente comida no seu prato, automaticamente está assumindo que você é mais amado por ele que aquele que passa fome, sem contar que está assumindo que Deus é o responsável pela fome do outro. Ou seja, ele seria pra você um Deus injusto, que faz acepção de pessoas, vingativo, barganhador... Se achar que Deus tem o papel de curar suas enfermidades, terá que assumir que ele é seletivo e preconceituoso ao não curar tantos milhões de pessoas que estão morrendo nos hospitais (isso quando não morrem jogados por aí, sem sequer a oportunidade de acesso à tratamento médico). Se achar que por ter perdido uma passagem Deus te livrou diretamente de um desastre aéreo, terá que assumir que o mesmo Deus matou os demais ou que, pelo menos, foi omisso diante da tragédia. Acorde pra vida, mano! Você precisa de um chacoalhão bem grande pra abrir os olhos pra realidade! Assuma responsabilidades. Lute, trabalhe para garantir seu pão; cuide de sua saúde e faça o que está ao seu alcance para recuperá-la quando adoecer. Não seja ingênuo de querer que Deus faça tudo por você. Isso é ser uma eterna criança. Saia do leite e coma alimentos sólidos! A fé não pode andar na contramão da realidade. Olhe para o que acontece no mundo, ao seu redor e veja se tem sentido você defender um deus totalmente intervencionista assim. Não é condizente com o que vemos e mesmo tendo tantas evidências de que as coisas não funcionam assim, teimará negando os "fatos" e defendendo uma espiritualidade baseada nessa troca de favores, nessa barganha? (Afinal você tem fé, vai aos cultos, lê a bíblia, ora até de madrugada, sacrifica o corpo e a carteira nas generosas ofertas - e por isso se acha mais merecedor do amor divino).
     Até quando vamos alimentar essa fé capenga, prepotente e distante da realidade? Aprender a viver inclui aprender a sofrer. Suportando tudo e não perdendo jamais a esperança e a força de lutar (inclusive para ajudar aqueles que não tiveram uma vida tão privilegiada quanto a sua). E um deus que não contribui para isso pode ser qualquer coisa, menos Deus.

Autor: Wésley de Sousa Câmara

O que achou?