14 de jan de 2016

Tomé: merece nosso respeito e admiração


     Infelizmente, na visão religiosa, se há pessoas que não são toleradas são aquelas que se identificam com Tomé (Dídimo). Aquelas que querem ver para crer (embora, na prática, mesmo essas pessoas geralmente creem sem ver, mas depois de crido, continuam querendo ver, claro) e isso é condenado pela maioria.
     Mas por que Tomé (ou as pessoas semelhantes a ele) é criticado? É errado ser crítico, apelar à razão, exigir um mínimo de evidência ou coerência? Na visão da maioria, sim, pois quem tem um "ladinho tomé" não é facilmente enganado e manipulado. Essa pessoa critica, questiona, quer saber porque algo é X e não pode ser Y... Porém é de se estranhar a revolta, já que aqueles que não têm nada a esconder não têm motivo para temer. Tomé exigiu crer, e conta-nos o escritor do evangelho o que? Que ele foi condenado, ignorado ou refutado por Jesus? Não! O relato é que Jesus foi lá e mostrou, pediu pra palpar. Ou seja, quando Tomé duvidou, Jesus não fugiu do questionamento, dizendo que "ele estava na carne e que só espirituais entendem as coisas do Espírito" (velho argumento religioso pra fugir de qualquer explicação racional satisfatória. Jesus criticou a incredulidade dele evidenciando de forma irrefutável o que Tomé até então não acreditara ("coloque a mão aqui e perca essa incredulidade").
     Pergunto: qual discípulo atual dele (no caso, nós cristãos) faz isso? Então não temos direito de reclamar de incrédulo nenhum, afinal nosso argumento é apenas o "é questão de fé", logo, se não temos uma chaga de Jesus (prova inegável) pra oferecer ao incrédulo, não temos direito de criticá-lo. E é justamente dos cristãos (e não, de Jesus, que falo). Não estou falando de alguém que duvida de vários testemunhos simultâneos de apóstolos genuínos que estiveram diante e conversando com Cristo em carne e osso (essa é uma evidência forte, de credibilidade). Não falo de duvidar de Jesus aparecendo em nossa frente... Falo de exigir evidências dos que se dizem discípulos de Jesus hoje, que garantem agirem em nome dEle e que fazem todo tipo de ação com essa alegação.
     Qual "meu" apóstolo [de Jesus] favorito? Não é Pedro, nem Paulo, nem João.. É Tomé. Não acredita? Viu? Então porque me critica por gostar dele se você duvida tanto quanto ele? Nesse raciocínio, não posso também gostar de você. Brincadeiras à parte, não critico Tomé, pelo contrário, o admiro. Ele não era um "Maria vai com as outras". Não é porque fulano aparentemente confiável relatou e garantiu, que algo será considerado evidência suficiente para acreditar. Ele queria mais, pois não desejava viver uma ilusão, um engano. Mas há quem condene essa minha preferência. Se eu dissesse que preferia Pedro, apoiariam. Porém Pedro é o mesmo que aparentemente "cria por revelação divina" que Jesus era o Cristo, mas afundou nas águas por incredulidade, negou a Jesus 3 vezes, questionou Jesus quando foi instruído a lançar a rede para pescar...
     Quem dera todos questionassem tudo, como ele. Mas não vejo atualmente a maioria dos que se dizem discípulos de Jesus procurando argumentar, convencer ou evidenciar. Apenas vejo os tais fugindo ou condenando os questionadores como "incrédulos" e "carnais".
     O que quero dizer é: não venha para o meu lado querendo que eu perca o meu "lado Tomé", porque só quem tem um "Tomezinho" dentro de si deixa de cair em tantas falácias sem sentido atuais.

Autor: Wésley de Sousa Câmara

O que achou?